sexta-feira, 28 de junho de 2013

O Lado Bom da Vida - Matthew Quick

Título: O Lado Bom da Vida
Título Original: The Silver Linings Playbook
Autor: Matthew Quick
Tradução: Alexandre Raposo
Editora: Intrínseca
Ano: 2013
Páginas: 256
Sinopse:
"Pat Peoples, um ex-professor de história na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele “lugar ruim”, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um "tempo separados".
Tentando recompor o quebra-cabeça de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com seu pai se recusando a falar com ele, sua esposa negando-se a aceitar revê-lo e seus amigos evitando comentar o que aconteceu antes de sua internação, Pat, agora um viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida. [...]"

[Sinopse retirada do site da Livraria Saraiva]

Quando você lê muitas críticas em relação à um livro ou suas expectativas aumentam ou elas simplesmente despencam, e de uma forma ou outra isso acaba interferindo em sua opinião sobre o livro, pouco, mas interfere.

Pat Peoples acabou de sair de um Hospital Psiquiátrico, e a única coisa que ele deseja é que acabe o "tempo separados" entre ele e Nikki, sua ex-mulher. Ele não se lembra por que foi parar em um Hospital Psiquiátrico, ou o motivo do "tempo separados", mas ele acredita que esse tempo logo acabará e ele enfim poderá ser um marido melhor para Nikki. O livro conta a história de duas pessoas que passaram por momentos difíceis e continuam lutando por um final feliz melhor, duas pessoas que ainda acreditam que esse final feliz exista.

Quando esse livro foi lançado ele tomou conta da blogosfera literária, eu via mais e mais resenhas dele todos os dias, e havia algo nele que me chamava a atenção, mas eu acabei me esquecendo do livro e só agora decidi lê-lo. Sinceramente, até a metade do livro eu não havia conseguido me encontrar na história, estava tudo meio confuso, e havia muitos mistérios no ar, a partir da metade eu me apaixonei pelo livro, quando o autor desvendou o quebra-cabeça eu consegui compreender toda a essência da história, e precisei me render.

Pat é o tipo de personagem que é quase impossível você não gostar, o que mais me encantou nele é a sua forma de ver o mundo, apesar de tudo que ele passou, dos problemas que tumultuavam sua vida, ele continuava lutando e acreditando no lado bom das coisas, a forma como ele enxergava a beleza em cada detalhe, ou os sentimentos embaralhados que tomavam conta de sua mente, o tornaram um personagem ao mesmo tempo inocente, persistente e apaixonante. Quanto a Tiffany, eu gostei muito da personagem, ela é honesta, tem atitude, e apesar de tudo, ela só queria o final feliz que merecia.

Matthew é um escritor que merece meu respeito, não só por criar uma história onde as peças se encaixam perfeitamente, mas também por fazer com que eu conseguisse simpatizar com um livro realista. Para leitores como eu, que vivem mergulhados em histórias de fantasia, quando um livro conta uma história mais realista e você consegue de alguma forma se aproximar dela, em minha opinião, ele merece meu respeito, pois ele soube me cativar e me encantar de uma forma simples.

O título do livro define muito bem a história, o livro passa uma mensagem muito bonita para quem lê nas entrelinhas, ele mostra que mesmo quando o mundo decidir desabar sobre você, ainda há uma chance de você virar o jogo, ele mostra que o amor nem sempre está explícito, talvez ele esteja escondido, apenas esperando a hora certa de aparecer, e a melhor mensagem que esse livro me passou é que existem sim os finais felizes, por mais que as pessoas te façam duvidar disso, mas ele existe, a diferença é que você precisa lutar por ele. Esse livro me fez enxergar o lado bom da vida, e eu só tenho que agradecer, pois eu não enxergava a vida de forma tão bonita há muito tempo.

Larissa Mirandah

2 comentários:

  1. Oi Lari!
    Ai que bom que você gostou do livro! Quando li que você ficou confusa nas primeiras páginas, fiquei com receio de você dizer que tinha odiado. Eu também me senti perdida no começo porque não sabia o que tinha realmente acontecido com Pat, por que ele estava na clínica e tal. Mas eu AMEI a forma que é narrado o livro. Pat é um personagem incrível. Como eu disse na resenha do blog, ele é um verdadeiro ser humano, sempre tentando ser uma pessoa boa! Coisa mais linda, senti uma ingenuidade maravilhosa nele. E a Tiff é muito hilária! Ri demais na parte em que eles treinam para a dança! Hahahaha.

    Sabe que o Matthew vai vir pra Bienal? Quero muito ir só pra conhecê-lo! \o/

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu confesso que fiquei com medo de não gostar do livro, eu li tantas resenhas dele que eu queria sentir tudo que os outros blogueiros sentiram, e apesar de ter me perdido no começo, eu posso dizer que a história me surpreendeu positivamente, o Matthew soube criar uma história diferente das que estamos acostumados a ver. A Tiff é realmente hilária, as partes da dança foram as melhores, quando eles estavam ensaiando eu tentei descobrir a música que eles iriam dançar mas não consegui, na hora da apresentação, quando eu descobri qual era a música eu fiquei muito alegre, só desejei ardentemente ver essa apresentação de dança, deve ter ficado maravilhosa!
      Eu fiquei sabendo que ele vem Jeh, eu adoraria conhecer ele, mas tudo depende do dia que ele vai estar lá na Bienal, eu só vou estar lá no primeiro fim de semana, só me resta cruzar os dedos e torcer!
      Beijos

      Excluir